sábado, 3 de maio de 2008

Passos Coelho diz que a sua candidatura é a do «futuro»

O candidato à liderança do PSD Pedro Passos Coelho deu, esta sexta-feira, a volta à leitura das sondagens que o deixam muito longe da vitória. Passos Coelho garante que continua confiante e propôs a criação de uma agência destinada a defender o litoral do país.

Foi com uma gravata azul, de uma só cor, semelhante àquela que Sócrates usa frequentemente, que Passos Coelho se apresentou aos mandatários do distrito e passeou pela orla costeira da Costa da Caparica.

Na manga, Passos Coelho trouxe uma proposta nacional para proteger toda a costa portuguesa e aproveitou também para marcar diferenças em relação a Sócrates e até em relação ao actual PSD.

Passos Coelho diz que «não se identifica com o PSD de Ferreira Leite, nem com o actual Partido Socialista», e salientou que quer apostar «no dinamismo das empresas que são quem cria valor em Portugal».

O candidato defendeu que há «duas candidaturas no PSD». «Há aquelas que vêm do passado e a minha que está centrada no futuro, e é sobre o futuro que eu quero falar», sublinhou.

«Se em duas semanas de campanha alguém que não foi primeiro-ministro, ministro, nem secretário de Estado, consegue obter 15,5 por cento das preferências dos portugueses e a possibilidade de impedir uma maioria absoluta, imagine o que não pode ser a progressão num ano de campanha eleitoral centrada nos portugueses e a apostar numa nova geração que traga uma política diferentes», concluiu.

O candidato à liderança social-democrata acredita que apesar do baixo resultado que lhe atribuem as sondagens tem muita margem para vencer no partido e importunar a sério José Sócrates.

in TSF